domingo, 18 de setembro de 2016

Subindo em (Escalando) Árvores


Ontem escalei uma árvore e um menino perguntou: o que você está fazendo? (ele estava se juntando a um colega para jogar futebol). Eu respondi que estava subindo na árvore. Hoje em dia estamos tão longe da natureza que subir numa árvore é considerado algo estranho... :)



Uma coisa que estava pensando é: não precisamos subir bem alto numa árvore. Basta um pouco. Eu geralmente chego a uns 2m de altura. Quanto mais alto, maior o risco de queda e pior a queda.

O livro abaixo é um guia para escalar árvores. Li a amostra da Amazon apenas.


The Tree Climber's Guide

Buy The Tree Climber's Guide by Jack Cooke (ISBN: 9780008153915) from Amazon's Book Store. Free UK delivery on eligible orders.

domingo, 11 de setembro de 2016

Voltas e Curvas

Estava pensando numa coisa durante meu treino de hoje.

Em primeiro lugar deixem-me descrever meu treino: foi um treino bem leve de corrida (apenas corrida) na vizinhança. Percorri aproximadamente 6 quilômetros em 52 minutos. E foi assim: saí de casa e fui correndo lentamente até chegar num ponto em que o meu relógio com GPS marcasse aproximadamente 3 Km. Aí voltei.



E é chato voltar pelo mesmo caminho. Até pensei em voltar por um caminho diferente mas aí iria estragar meu plano de fazer pelo menos 6 Km.

Nisso pensei nas pessoas que reclamam das provas que são em duas ou mais voltas.

Por exemplo, vai acontecer em Curitiba uma prova de 5Km em duas voltas dentro do estacionamento de um shopping. Parece chato, não é? E deve ser mesmo. Já fiz prova com até 3 voltas (parkrun Durham, NC). Era chato mas pelo menos a gente via os corredores indo na direção oposta e nos cumprimentávamos.


Mas por que é chato? Minha teoria: o ser humano não evoluiu correndo e voltando ao mesmo lugar. Se ele evoluiu correndo, as corridas eram de um ponto a outro.

As provas em geral tentam enganar nosso cérebro fazendo percursos em loop, em que você larga e chega no mesmo lugar, mas passando por pontos diferentes. Mas algumas provas são ponto-a-ponto, como a Maratona de Nova Iorque: você larga em um lugar e chega em um lugar bem distante da largada.

O que eu fiz hoje é muito chato porque eu fui e voltei pelo mesmo caminho sem ao menos dar um intervalo entre a ida e a volta. O ser humano deve ter evoluído fazendo Corrida-Transporte, isto é, usando a corrida para ir de um ponto A a um ponto B. Não fazendo percursos de ida e volta.

Expandindo mais um pouco lembro que a prova mais popular do atletismo de pista são os 100 metros rasos. Ela e os 200 metros rasos (e excluindo provas com barreiras, que na minha opinião são aberrações) são as únicas provas em que não se dá nem mesmo uma volta na pista do atletismo.

Dar voltas é chato. A prova de 400m dá uma volta apenas, menos mal. 800m são duas voltas. Mas os corredores dos 10000m chegam a dar 25 voltas. Deve ser extremamente chato. É chato para quem assiste.

Mas os 100m tem uma vantagem adicional sobre os 200m: não tem curvas. Para quem assiste a curva é chata pois dificulta ver quem está na frente. Para quem corre também deve ser ruim. Será que é por isso que quando faço meus treinos de tiros de 200m, 400m, 800m eu prefiro treinar na rua ou ir ao Lago da Universidade Positivo do que ir para a Pista? No Lago ainda tem curvas, mas dá para fazer uns 300m (talvez mais) quase em linha reta. Já na Pista não dá, claro.

Outra coisa que pensei durante o treino foi sobre a intensidade. Meu treino, como já disse, foi bem leve. Acho que, com isso, maximizei o uso das estruturas elásticas do meu corpo. E fiz o treino usando as sandálias Xero Shoes, que também ajudam neste aspecto. E fiz com a boca fechada a maior parte do tempo, também no estilo minimalista-aeróbico. Não tenho nenhuma grande evidência (além deste livro) mas acho que a combinação:

  • correr lentamente
  • com calçado minimalista ou descalço
  • com a boca fechada
  • usando a corrida como meio de transporte
é a forma mais paleo/primal de correr.

PS: Tenho que registrar este comentário do Ralph Tacconi que foi feito lá no Facebook, principalmente pela frase final que dá uma ótima ideia: "Nossa, penso exatamente isso. Acho chato ir e voltar. Loops então, chatíssimo. Meus longos são sempre de ponto A a B e volto de condução."

domingo, 4 de setembro de 2016

A Maratona de Curitiba 2016 vai acontecer!

Fiquei sabendo pelo Divino Julian (Julian Runner) que vai ter sim Maratona de Curitiba 2016.
Até então não estava confirmado. Quer dizer, confirmado estava mas não tinha inscrição aberta, nem data para abertura de inscrição, nem organizadora definida.

Para vocês terem uma ideia, maratonas até menores do que a de Curitiba nos EUA tem inscrições abertas 8 meses antes ou até mesmo um dia depois da Maratona do ano anterior.

A empresa organizadora vai ser a Thomé e Santos. Gosto desta organizadora. As provas de que participei organizadas por eles não tiveram grandes problemas. Mas, claro, não participei de todas as provas.

E é uma organizadora local, o que para mim é importante para a continuidade da prova.

Outra coisa de que gostei é que este ano vai ter, além da Maratona e das provas paralelas de 5K e 10K, também o revezamento em duplas.

As inscrições começam em 15/09 e a prova vai ser no domingo 20/11. Entre no evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/1687379571583594/

Gente muito boa de fora já avisou nas redes sociais que vem participar, como o André Savazoni, da Revista Contra-Relógio.

Eu não devo fazer nenhuma das provas, nem mesmo as menores (5K ou 10K). Bem, talvez faça. Vamos esperar.

Mas o ponto é que minhas paixões no movimento (que inclui corrida) mudaram um pouco. Agora estou mais interessado, quando corro, em distâncias bem curtas: 40m, 60m, 100m, 200m, 400m, no máximo 800m. Mais do que isso não acho que vale a pena. A não ser que seja uma parkrun.

E, claro, estou mais interessado em variedade de movimentos interessantes. Fui influenciado pelo Christopher McDougall, pelo Sock Doc, por Erwan Le Corre, Ido Portal. E por pessoas mais próximas como o Pedro Bronze e o Andre Cruz. Quero subir em árvores, fazer movimentos quadrúpedes, treinar força, agilidade. Ultrapassar obstáculos.

O Andre Cruz criou um grupo que eu ajudo a administrar:  Primal/Paleo Fitness Brasil.

E eu criei uma página: Primal and Paleo Fitness Brazil.

Passem lá para conhecer e boa prova para os que vão tentar a Maratona! Torçam para que o clima seja bom. A cada ano varia. Tem ano em que fica muito quente e tem ano em que o dia é nublado e bem agradável.

Foto: Valdecir Galor / SMCS


A photo posted by Julian Runner (@julianrunner) on

domingo, 28 de agosto de 2016

Correndo pouco?

Ultimamente tenho corrido muito pouco, comparando com o tanto que eu corria antigamente (2 anos atrás, por exemplo). Naquela época um treino meu era por tempo (1h) e geralmente dava uns 8Km de distância. Agora prefiro correr por apenas 30 minutos, e a distância obtida é algo em torno de 3,5 a 4 Km.

Hoje foi um belo domingo de sol em Curitiba. A temperatura chegou a 27 graus, o que deu mais vontade de sair de casa.

Minha preocupação com esta redução de distância percorrida é que fico menos condicionado para provas, mesmo as de 5Km.

Mas, por outro lado, correr menos libera mais tempo para que eu me dedique a outras atividades como a calistenia, o Parkour, o treino de força, etc.

Por exemplo, algo que eu nunca fazia quando somente corria era me movimentar por barras (como as do post abaixo). Hoje sempre que posso vou para uma praça brincar em barras.







quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Atualização

Faz tempo que não escrevo. Principalmente por não ter muitas novidades.

Continuo seguindo o Método Adolfo Neto (rs) de exercício e alimentação que consiste de:

  • Correr em ritmo lento a maior parte do tempo, como recomendam Phil Maffetome (usando a fórmula 180-idade), Mark Cucuzzella, Steve Gangemi, Mark Sisson.
  • Fazer treinos de tiro de corrida quando dá, mas sempre bem curtos (40 a 100m). E não fazer muitos tiros.
  • Fazer treinos de força e calistenia quando dá, de preferência ao ar livre. Gosto de usar as praças de Curitiba e as Academias ao Ar Livre.
  • Subir em árvores, sempre com bastante cuidado para não me machucar nem machucar a árvore.
  • Fazer movimentos inspirados no Parkour (Slow Parkour).
  • Consumir uma dieta inspirada na dieta paleolítica, low carb mas nem tanto, high fat mas não muito.
  • Trabalhar em pé sempre que possível.
  • Ficar em pé dentro do ônibus sempre que possível.
  • Fazer jejum parcial (consumo café com nata e adoçante) pela manhã quase todos os dias.
  • Exercitar-se de boca fechada quase todo o tempo. Esta dica é do Lee Saxby. E o Mark Cucuzzella gostou e adotou (ver imagem).
  • Fazer corrida-transporte quando possível.
  • Fazer sessões de exercício de aproximadamente 30 minutos, quase todos os dias (5 a 6 vezes por semana).  
  • Praticar exercícios descalço ou com calçados minimalistas.  

Enfim, eu gostaria de acrescentar outras coisas (natação, dança, levantamento de peso olímpico, CrossFit, argolas,  TRX) mas por enquanto é o que tenho conseguido fazer. Chamo de Método Adolfo Neto pois a ideia é que isto é o que eu faço. Não recomendo a ninguém. Veio das minhas leituras, da minha experiência e se aplica a mim.

Treinamento de Mark Cucuzzella para adolescentes. Ele pediu que colocassem fita na boca para forçar a respiração pelo nariz.

Desafio

Completei 44 anos ontem. Uma ideia que tive foi me fazer um desafio a cada aniversário. Não deve ser nada abusivo e deve poder ser feito até completar 100 anos ou mais. 

A ideia atual (e que comecei ontem) é correr mínimo(1000-idade*10,100) metros o mais rápido possível, com a boca fechada. Ou seja, ontem corri 560m. Ano que vem serão 550m. E de cem anos em diante serão sempre 100 metros. Pode ser feito em qualquer lugar. Não precisa ser numa pista. Ontem fiz na rua.

5 Anos

Quase não tenho participado de corridas mas lembrei recentemente que minha primeira corrida foi em 05/09/2011, quase 5 anos atrás. 

Receba as postagens deste blog por email