quinta-feira, 5 de março de 2015

Glúten: sim ou não? Para mim não, por causa da Via Negativa

O post de hoje do Danilo Balu no blog Recorrido está bem estimulante. Ele escreveu:

Vivemos em uma geração que da noite para o dia acha que virou sensível ao glúten e à lactose. Todo mundo tem um conhecido que não come (ou evita) esses 2 nutrientes. Há muito debate sobre o glúten. Eu particularmente acho que há benefícios em sua restrição, mas em um público determinado. Mas na Nutrição são tantas as variáveis que fica difícil determinar o que trouxe benefícios, se a retirada dele próprio ou de todo o carboidrato da dieta, ou ainda a entrada de outro fator importante: o placebo. Gosto do Five Thirty Eight porque são obcecados com evidências e/ou números. Aqui um belíssimo texto deles sobre o tema que dá para ser estendido para outros campos.

Meu comentário:

Danilo,

Sobre o glúten vou discordar de novo de você. Acho que todo mundo pode ter benefícios ou, ao menos, se arriscar bem menos evitando glúten. Claro que quem não tem sensibilidade clara talvez não precise zerar seu consumo anual (eu mesmo como uma fatia de pizza aqui e ali ou tomo uma cerveja), mas evitar o glúten como princípio básico me parece uma excelente ideia.

O princípio que eu gosto de aplicar em relação ao glúten é o da Via Negativa (ver este post do Taleb



 e você deve ter lido sobre isso no livro Antifrágil também do Nassim Nicholas Taleb):



Tradução do conceito de Via Negativa: 
"A ideia inteira da *via negativa* é que a *omissão* [prevenção de danos, remoção de drogas, xarope de milho, cigarros, glúten, carbs (pelo jejum), professores de academia, riscos de cauda, etc.] não tem efeitos colaterais e cadeias de ramificação de consequências não intencionais - portanto é robusta. Mas as grandes corporações [a indústria farmacêutica malvada, pepsi] e consultores não conseguem ganhar dinheiro removendo; eles apenas se beneficiam se adicionarem."



Ou seja, evitar glúten não tem efeito colateral. Eu não preciso de números para me provar que eu não devo evitar glúten. Eu precisaria de números apenas se fosse para me dar evidências de que comer glúten é seguro no longo prazo.

A conclusão do 538

“If you don’t have celiac disease or a wheat allergy and are experiencing distressing gastrointestinal symptoms after eating gluten — lack of satisfaction with your stool consistency, for example — there is something like a 1 in 30 chance that the gluten is potentially responsible. If you cut out gluten and it makes you feel better, great. Although it may all be in your head.

If you are cutting out gluten for any other reason, all that will happen is you’ll feel the same, but without the pleasure of bread that tastes like bread.”

vai bem contra o princípio da Via Negativa. Para mim, é “bullshit”.

Melhor ler o Mark Sisson:
http://www.marksdailyapple.com/does-gluten-have-any-effect-on-non-celiacs/
http://www.marksdailyapple.com/gluten-free-fad/

3 comentários:

  1. Excelente, Adolfo!

    Ótimo saber que existem outros fãs do Taleb, e você fez um grande serviço para muita gente com esse post.

    ResponderExcluir
  2. De tempos em tempos releio esse post....

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário! Não uso verificação de palavras.

Receba as postagens deste blog por email