quarta-feira, 6 de maio de 2009

Padrões para introduzir novas ideias - convite para defesa de dissertação de mestrado de Daniel Cukier


Título: Padrões para introduzir novas ideias na industria de software

Candidato: Daniel Cukier

Data: Segunda-feira, 11 de maio de 2009
Horário: 14:00
Local: Auditório Jacy Monteiro - Bloco B, IME-USP

Formação da banca avaliadora:

Membros titulares:

Prof. Dr. Fabio Kon - IME-USP (Presidente)
Prof. Dr. Alfredo Goldman - IME-USP
Dr. Claudio S. Pinhanez  - IBM Brasil

Membros suplentes:
Prof. Dr. Valdemar Setzer - IME-USP (Suplente)
Prof. Dr. Arlindo Flávio da Conceição - UNIFESP - São José dos Campos

Resumo:

 A indústria de software é muito dinâmica e novas ideias surgem a todo instante
em todas as partes do mundo. Nem sempre é fácil fazer com que essas ideias sejam
adotadas, pois, para isso, é preciso fazer as pessoas mudarem sua forma de
pensar. Deve-se sempre considerar o fato de que o ser humano, diferente do
computador, é inusitado e imprevisível. Apesar disso, podemos encontrar
determinados padrões de comportamento, que não resolvem todas as questões, mas
ajudam a lidar com situações e continuar caminhando para atingir um determinado
objetivo.

Trazemos uma pequena introdução sobre o conceito de padrões e depois
apresentamos Padrões para Introduzir Novas Ideias. Esses Padrões têm o objetivo
de ajudar na difícil tarefa de introduzir uma nova ideia dentro de alguma
organização, pois se essa ideia pressupõe mudanças culturais, o trabalho é ainda
mais complicado. Propomos também quatro novos padrões, que podem ser
incorporados ao catálogo original.

Num desses novos padrões, mostramos a importância de se usar atividades
artísticas no dia-a-dia de pessoas que trabalham com desenvolvimento de software
e como a Arte pode nos ajudar a introduzir novas ideias. Pesquisamos algumas
práticas como teatro, pintura, poesia, música e meditação. Pudemos encontrar
elementos de ligação entre o lado puramente matemático e bem definido do ser
humano e o seu lado abstrato, analógico e artístico. Desenvolver software deve
ser encarado como uma atividade humana, acima da questão técnica e puramente
lógica. Existem pessoas envolvidas no processo: as que usam e as que criam o
software. Existe uma barreira que separa os programadores das pessoas que usam o
software. Essa barreira pode ser quebrada se pessoas da Computação começarem a
desenvolver, além das habilidades computacionais que já lhes são óbvias,
habilidades artísticas e de relações humanas.

Todos são bem-vindos.

Daniel Cukier <danicuki at ime.usp.br>

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário! Não uso verificação de palavras.

Receba as postagens deste blog por email