sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Vanderlei Cordeiro de Lima: destaques da medalha olímpica em 2004

Todo corredor brasileiro conhece a estória da medalha de bronze de Vanderlei Cordeiro de Lima na Maratona das Olimpíadas de Atenas 2004. Se você não conhece, leia na Wikipédia, ou procure no Youtube por "Vanderlei Cordeiro Atenas 2004".

Em 2014 uma TV fez uma ótima matéria sobre a façanha (clique no link para assistir):


Alguns destaques da reportagem:

  • Quando era criança, Vanderlei corria pelas estradas de terra no interior do Paraná. Segundo ele, alguns jogavam pedras. Outros, laranjas. Segundo a mãe, alguns chamavam ele de "doido". A mãe dele tem um delicioso sotaque nordestino.
  • Ele correu sem relógio!
  • Ele sofreu um acidente de moto em janeiro de 2004 e fraturou a clavícula esquerda.  Como ainda precisava garantir a vaga para a Maratona Olímpica, correu e venceu (com tempo de 2:09:39) a Maratona de Hamburgo em 19 de abril! A Maratona Olímpica foi em 29 de agosto. Ou seja, ele teve apenas 4 meses e 10 dias para descanso e treinamento entre as duas maratonas!
  • Existe um Museu da Corrida (site oficial, página no Facebook), em Maratona, Grécia, e agora uma réplica do uniforme que ele vestiu e uma foto dele sendo atacado, ambos autografados, estão em exibição no museu.

A partir da leitura do livro sobre ele, que ainda não terminei, e do livro do Meb Keflezighi (medalha de prata na mesma maratona e que ainda pode vir à Rio 2016), que acabei de ler, acho que Vanderlei teve uma vida mais difícil do que a do Meb. Meb teve um começo de vida bem complicado, mas depois que chegou aos Estados Unidos, com 12 anos, as dificuldades diminuíram bastante. Vanderlei sofreu até à idade adulta. Morou em uma casa dentro da Usina Ester, em Cosmópolis-SP, quando já era corredor profissional. 

Stefano Baldini (o medalhista de ouro e Atenas 2004) e Meb acham que iriam alcançá-lo e ultrapassá-lo (está no livro do Meb). É possível, pois antes do empurrão eles já estavam diminuindo a diferença. Difícil ter certeza. Uma coisa é chegar, outra passar.



Vanderlei de volta ao estádio olímpico em Atenas

Vanderlei dando entrevista logo após a prova em 2004.

Vanderlei no pódio com Meb e Stefano Baldini

Vanderlei Cordeiro de Lima, em 2014, na Grécia
Dona Aurora, mãe de Vanderlei 

A Medalha Pierre de Coubertain, que poucos receberam por seu espírito esportivo

Museu da Corrida em Maratona, Grécia



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário! Não uso verificação de palavras.

Receba as postagens deste blog por email